Mopeia abre ano lectivo com nova escola primária completa

UMA nova escola primária completa, com capacidades para mais de mil alunos, entrou em funcionamento no presente ano lectivo, no distrito de Mopeia, na Zambézia. A escola, que compreende cinco salas de aula, bloco administrativo, casas de banho e campos para jogos, foi apetrechada com carteiras duplas, podendo oferecer aos alunos condições eficientes de ensino […]

UMA nova escola primária completa, com capacidades para mais de mil alunos, entrou em funcionamento no presente ano lectivo, no distrito de Mopeia, na Zambézia. A escola, que compreende cinco salas de aula, bloco administrativo, casas de banho e campos para jogos, foi apetrechada com carteiras duplas, podendo oferecer aos alunos condições eficientes de ensino e aprendizagem.

O Governador da Zambézia, Abdul Razak, que inaugurou o estabelecimento de ensino, por ocasião da abertura oficial do presente ano lectivo, pediu aos pais e encarregados de educação para contribuírem na educação dos seus filhos e educandos, mandando-os á escola, por forma a valorizarem o investimento pelo executivo. Para ele, a educação é a base do desenvolvimento, por isso é fundamento fazer o investimento incondicional neste sector, olhando para os perfis de saída dos alunos no futuro.

Abdul Razak explicou ainda que o conhecimento técnico e científico é fundamental para a luta contra a pobreza pois, sem a educação é impossível que o país desenvolva.

 

Razak exoncu os pais e encarregados para a sua participação activa na educação dos seus filhos e pediu aos mesmos que prestem atenção especial, principalmente, á educação da rapariga, porque, segundo afirmou, o país precisa de mais mulheres a trabalharem em diferentes áreas, que ainda não estão a ser exploradas por estas, Razak anotou que a escola primária é nova, com algumas condições, que vão melhorar  o processo  de ensino e aprendizagem, já que, de acordo com as suas palavras, os alunos não vão  estar dependentes com os problemas das chuvas e sol e também vão deixar de estudar sentados no chão.

 

O ano lectivo de 2019, na Zambézia, arrancou com alguns desafios, pois há ainda, alguns escolas sem tecto, por causa das chuvas e ventos fortes, que se abasteram por algumas regiões da província.